Bom Jesus de Ponta Delgada

pd_old

Bom Jesus de Ponta Delgada
Uma das mais antigas e concorridas romagens da Madeira

Afirma o Elucidário Madeirense que a romagem do Senhor Jesus da Ponta Delgada, de Nossa Senhora do Monte e do Senhor dos Milagres em Machico, “são as mais antigas, as mais concorridas e as mais características desta diocese”.

A propósito da romaria do Senhor Bom Jesus, vale a pena saborear a prosa de Horácio Bento de Gouveia, ilustre filho da terra e escritor de alto gabarito:

“O sentimento religioso esteve sempre associado ao viver das gentes que foram habitar Ponta Delgada. E logo a partir da segunda metade do século XV, a devoção ao Senhor Bom Jesus passou a ser inquestionável realidade que aportou até aos nossos dias, não só por força do templo ali existente, como sobretudo pelo arraial do Senhor Bom Jesus de Ponta Delgada.

Fazendo jus à frase bíblica «Omnes sitientes venite ad acquas» (todos os que tenham sede vinde aqui beber), inscrita no Poço dos Romeiros, próximo à igreja, todos os anos, em Setembro, afluem fiéis de toda a ilha a festejar o Senhor Jesus. Confiados na protecção de Deus, os peregrinos atreviam-se a uma viagem outrora longa e difícil, tanto por mar como por terra”.

A este propósito, Horácio Bento cita Henrique Henriques de Noronha: “sendo a passagem para a dita Freguezia, por todas partes perigoza, jamais se acha memória, de que perigase pessoa algua, das muitas que ali concorrem em todas as estações do ano; antes experimentam singulares benefícios do Senhor e evidentes prodígios da sua omnipotência”.

E logo completa com Alberto Artur Sarmento: “Depois restauravam as forças do espírito e do corpo nas cerimónias religiosas e no centenário e curioso arraial de comes-e-bebes, música, descantes e cumprimento de promessas”, acrescentando o escritor que o arraial ainda continua no tempo: “mantém a sua atracção como espaço lúdico e de convívio”.

Vale a pena saborear ainda como o ilustre escritor narra a romaria:

“Milhares de forasteiros oriundos da generalidade das freguesias da Ilha da Madeira vieram até à Corte do Norte para participar na festa do Senhor Bom Jesus. Chegando com o entardecer do sábado, aqui se mantiveram, noite fora, nos comes-e-bebes, cantando e bailando, calcorreando as ruas da freguesia engalanadas de flores e luzes multicolores, por entre os magotes de gente que difusamente invadiam todas as artérias do povoado.

Aqui e acolá, um ou outro grupo de romeiros, com harmónicas, violas e pandeiros, deixam no ar o som e a imagem dos últimos acordes de genuína tradição do arraial madeirense.

Os feirantes proliferam, vendendo chapéus de palha, óculos de sol, tambores, pandeiros, colares de rebuçados, música em cassettes e um sem número de pequenos objectos susceptíveis de motivar a cobiça dos visitantes. As denominadas “barracas” abundam, cheias de bebidas e carne para espetada. E a festa dura noite fora, proporcionando largos momentos de alegria a todos quantos vieram ao arraial do Senhor Bom Jesus de Ponta Delgada”.

pd_festa

Porque se vai à Ponta Delgada

“E o espírito do arraial?” – pergunta o escritor? “Qual a motivação das pessoas para irem, por vezes de tão longe, até à Ponta Delgada? Será ainda igual ao que criou a tradição?”

”Não é fácil conhecer-se a origem dos romeiros”, diz Horácio de Gouveia, porque a tradição pouco ou nada conservou. Sabe-se que, em séculos passados, afluíram os romeiros em grupos, após muitas horas de caminho, e que vinham para o cumprimento de promessas, cantando, bailando e trazendo, para além de merendas – porque nesses tempos não existia ainda a venda de comidas e bebidas – ofertas para o Senhor Jesus.

Certamente que algo mudou. Já não se vai a pé calcorreando caminhos e veredas, nem por mar, arrostando os perigos da serra nem das ondas, nem se demoram muitas horas nem dias seguidos. As actuais vias de acesso e os meios de transporte particular e colectivo propiciam uma viagem cómoda e rápida, todavia dependente do tráfico mais ou menos intenso e sujeito às normas ocasionais.

O espírito religioso deverá permanecer idêntico ao dos nossos antepassados: agradecer favores, honrar o Senhor Bom Jesus, e colocar-se sob a sua protecção. Prova-o a multidão que visita a Igreja durante a tarde e noite do sábado, as promessas que ainda se cumprem e a visita obrigatória à imagem do Senhor Bom Jesus, no seu nicho, no alto do camarim. Após a missa do romeiro, pela madrugada, o romeiro demanda a sua aldeia.

Embora com certas alternâncias, o arraial ainda se mantém, agora com certas expressões sócio-culturais e folclóricas de iniciativa da comunidade paroquial.

Certamente em menor quantidade, ainda se vêm os grupos de brinquinhos, cantando, rindo e bailando, durante toda a noite, expressando viva alegria por estar no Bom Jesus da Ponta Delgada que ainda exerce o seu fascínio sobre os seus devotos que a Ele acorrem com aquela profunda, autêntica e verdadeira fé e devoção, apanágio da piedade popular.

Fonte: * Manuel Gama in Jornal da Madeira / snpcultura.org

Anúncios